Foto: via

Você já parou pra pensar na quantidade de coisas supérfluas que você tem ao seu redor?

Sempre tive o costume de fazer o destralhamento de final de ano, separando as roupas que não me serviam mais, os cadernos usados, as provas da escola, enfim, tudo aquilo que não tinha mais serventia pra mim. Esse costume me transformou numa pessoa mais organizada e simples, não gosto de acúmulo. Não serve mais? Doa! Tá quebrado e não tem conserto? Joga fora! Enjoou mais ainda está bom? Que tal vender!? Desfazer-se das coisas sem uso é liberar espaço para coisas novas, energias boas e ainda dar uso aquilo que está estagnado.
Em 2011 passei por uma situação bem difícil, uma enchente que atingiu minha cidade e consequentemente, minha casa. Quando conseguimos voltar a morar nela, faltavam muitas coisas que a água acabou estragando e tivemos que nos desfazer. A partir daí, tivemos que improvisar com o que tínhamos, o que nos deu várias lições, mas a que eu quero utilizar para este post é: não precisamos de muito para viver.

Tendo pouco, aprendemos a dar valor àquilo que temos, haverá mais espaço para organizar nossos pertences, adquirimos uma maior noção daquilo que temos e consequentemente gastamos menos.

Já ouviu aquela frase de que menos é mais?

Pois é, isso vale não só pros pertences, mas também pras relações, pros afazeres, pra saúde e principalmente pras preocupações. Uma vida muito atribulada, onde você é rodeada de pessoas que não te agregam valor e coisas que não atendem às suas necessidades, não é uma vida plena e feliz. Temos que parar e nos fazermos as seguintes perguntas: 

O que realmente importa? 
Quais as pessoas que realmente se importam comigo?
Eu preciso mesmo disso?
Esse sentimento me faz bem?

Menos consumismo é mais saúde pro bolso e pro planeta. Mais simplicidade é menos estresse, menos desatenção, menos apego ao materialismo.

Cultive uma horta em casa, faça a própria comida, leia um livro, desconecte-se, tire um tempo pra ficar só e refletir. Você vai perceber que o tempo passa mais lento, vai se conhecer melhor e vai ver que o mundo gira sem pressa.

Se você parar pra pensar na época mais feliz da sua vida, vai perceber que ela também foi a mais simples.


Experimente a liberdade de ser mais simples e minimalista.


2 Comentários

  1. Adorei! Acho que depois que entendemos o valor de menos é mais a gente aplica em tudo mesmo, hoje eu dia eu adoro comer sozinha.. E pensar que antes convidava pessoas não tão bacanas para sair só para ter companhia. Recentemente coloquei muita roupa fora/para doação, era tanta coisa engavetada que parecia me enforcar. Pretendo fazer outras limpas na casa até o fim do ano. Parece que coisa demais sufoca. Tirando minhas nerdices não faço questão de ficar acumulando em casa não. Enfim! Beijos ❤️

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bessie!
      Também tenho essa impressão de que coisas demais me sufocam. ;) Eu acredito que tudo que é demais além de atrapalhar a nossa vida, também não permite que o novo entre e que as boas energias fluam tanto dentro da nossa casa quanto em nós mesmos.
      Beijos =D

      Excluir